Chapéu de Cozinheiro - Conheça a História!

Chapéu de Cozinheiro – Conheça a História!

Você conhece a história do toque de chef? Não estamos falando de um chef que tem compulsão por um certo tipo de tempero ou obsessão por pratos brancos. Isso seria um transtorno obsessivo-compulsivo, conhecido como TOC. O toque ao qual nos referimos também fica na cabeça, mas trata-se especificamente do chapéu de cozinheiro.

O “toque blanche” (touca branca), como se escreve na França, é o nome original do chapéu branco e comprido usado nas cozinhas de vários países. Para os mais desavisados, ele pode até parecer meio alegórico, mas seu significado é muito mais marcante: é praticamente uma verdadeira patente, como as dos generais, símbolo do status gastronômico máximo, além de garantir a higiene no ambiente. É, portanto, item fundamental para qualquer profissional top de linha de um restaurante bem-sucedido.

Onde surgiu?

Por volta do século XVI, os monges na Europa Oriental, que eram exímios cozinheiros, já utilizavam chapéus nesse formato, só que pretos. Na Grécia, muitas pessoas que fugiam de invasões bárbaras buscavam refúgio nos monastérios e usavam esses chapéus pretos para conseguir escapar da perseguição, se passando por monges.

Coube aos franceses, que também dominavam bastante a arte da culinária, adotar o chapéu de cozinheiro no século seguinte. No reinado do francês Luís XIII (1601-1643), ele instituiu a moda dos monges a seus cozinheiros subordinados.

O que significa?

Naqueles tempos, comer bem era tão valorizado, que os cozinheiros reais tinham título de oficiais da boca (“officiel de bouche”), literalmente uma patente militar. Com o passar dos anos, o tamanho do toque passou a indicar sinal de prestígio, ou seja, quando maior ele fosse, mais alto seria o seu posto na hierarquia.

Sendo assim, o chef superior do restaurante utilizava um toque enorme e sofisticado, enquanto a pessoa da equipe gastronômica com menor função cabia um simples bonezinho de duas pontas, atualmente conhecido como bibico.

Quem criou o modelo final?

Acredita-se que tenha sido o francês Marie-Antoine Carême, conhecido como “rei dos cozinheiros, cozinheiro dos reis”, que criou o modelo na cor branca tal como ele é utilizado hoje.

Carême foi o primeiro chef de cozinha francês a se tornar uma personalidade, ficando muito conhecido por simplificar a alta gastronomia francesa. Não à toa, o toque usado por ele era de cetim, ornamentado com pequenas flores de ouro e com cerca de 18 cm.

E nos dias de hoje?

Atualmente, o toque continua nivelando os funcionários de um restaurante. Além disso, ele – como o uniforme branco, que só deve ser usado na cozinha – é fundamental para manter a higiene e as boas práticas na manipulação de alimentos, uma vez que impede que fios de cabelo contaminem o ambiente.

Agora que você já conhece a importância histórica e o grande significado do toque em uma cozinha e já sabe que em todo bom restaurante há um chef ostentando o seu “toque blanche”, que tal lutar para conquistar o seu próprio chapéu de cozinheiro?    

Gostou das curiosidades? Compartilhe este post nas suas redes sociais e divulgue um pouco da cultura gastronômica!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *